Melhoramento Genético em Gado de Corte - Estratégias de Seleção

Melhoramento Genético em Gado de Corte – Estratégias de Seleção

Melhoramento Genético em Gado de Corte – Estratégias de Seleção

Tales Bernardes / Tecnologia no Campo

O melhoramento genético consiste em aplicar princípios biológicos, econômicos e matemáticos, a fim de encontrar estratégias ótimas para aproveitar a variação genética existente em uma determinada espécie animal, para maximizar seu mérito. Isso envolve tanto a variação genética entre os indivíduos de uma raça quanto a variação entre raças e cruzamentos.

O criador possui dois procedimentos para melhoramento genético, o primeiro é a escolha dos indivíduos que serão os pais (seleção), e o segundo é o controle dos acasalamentos que cobrem os processos de consanguinidade e cruzamento. A escolha de qualquer uma das alternativas de melhoria não implica não utilizar a outra, pelo contrário, deve ser “Complementar“.

Geralmente melhoramento genético é confundido com o cruzamento entre raças. Supõe-se que a raça predefinida afetará a precocidade do crescimento, tamanho ou melhora reprodutiva. É possível que assim seja, como certas características da raça podem ser herdadas.

No entanto, é necessário levar em conta vários aspectos: o primeiro e básico é o propósito do melhoramento desejado.

Respondendo às perguntas:

  • O que eu quero melhorar?
  • Qual é o objetivo a ser alcançado?

Estratégias de Seleção buscando o Melhoramento Genético

A resposta dessas questões é a chave para a criação e manutenção de um programa de melhoramento genético.

Uma vez que o objetivo tenha sido definido, as estratégias devem ser estabelecidas. E o cruzamento entre as raças é apenas uma das várias maneiras de melhorar. Tem-se sempre que lembrar que nos cruzamentos pode haver ganhos e perdas.

Possivelmente ganha-se peso ou tamanho e perde-se robustez e com isso adaptabilidade ao meio ambiente. É bem conhecido que o comportamento de uma raça depende em grande parte do ambiente. E mesmo assim, nem todos raças que chegaram ao país foram estudadas em diferentes ambientes tropicais.

Isso nos leva à conclusão, de que o melhoramento genético deve ser direcionado de acordo com o sistema de produção desejado e com os índices zootécnicos observados na propriedade. E que, primeiramente o ambiente ao qual os animais estão sujeitos deve ser priorizado para que o melhoramento genético seja feito com eficiência.

Entretanto, na maioria das vezes esse processo é realizado de forma aleatória, sem a definição precisa de onde se quer chegar e dos meios que serão utilizados para esse fim.

O resultado da ausência de planejamento é a falta de constância na melhoria dos animais, fator que pode resultar em ganhos genéticos temporários e, em muitos casos, retrocesso no desempenho dos indivíduos.

Os procedimentos são variados e os métodos também, pra que se tenha controle sobre o processo de melhoramento genético. Deve-se controlá-lo por meio de registros estatísticos, e avaliar os procedimentos que estão sendo usados. Uma vez que o melhoramento genético é um processo contínuo cujos indicadores determinarão o quão assertivo é o caminho tomado.

Um dos objetivos mais importantes de qualquer sistema de criação animal é de se obter melhores taxas produtivas e reprodutivas. Para que uma maior quantidade de produto seja obtida e o período improdutivo dos animais seja reduzido. Assim, otimizando todos os recursos disponíveis, priorizando a rentabilidade do exercício.

Principais Pontos à se avaliar nos Objetivos de Seleção.

Para atingir o objetivo da seleção, primeiro é necessário conhecer a situação atual de cada sistema produtivo, para determinar quais os seus problemas.

As conclusões tiradas da análise serão verdadeiras, desde que os dados utilizados também sejam. Daí a importância de ter um sistema de registro de eventos e análise de dados, e estabelecer este sistema, é o primeiro passo para obter esta melhoria.

Devemos também ter em mente que, para melhorar os parâmetros, existem duas maneiras, que eles devem ser utilizados.

Avaliando o Ambiente.

O primeiro é através da optimização das condições que intervêm na produção, como a nutrição, sanidade, gestão e controle reprodutivo. Tais melhorias no ambiente, tem um efeito rápido na produção, no entanto este efeito é temporário, ou seja, é limitado à duração e intensidade da melhoria que é aplicada, e seu efeito desaparece quando a melhoria aplicada é suspensa.

O segundo caminho é o melhoramento genético, em que ao selecionar e/ou cruzar indivíduos com rendimentos nos parâmetros produtivos superiores à média populacional, isso nos permite aumentar os valores da referida média nos cruzamentos sucessivos, utilizado desta forma, o progresso é mais demorado, mas os resultados obtidos são permanentes e cumulativos.

As melhorias ambientais e genéticas não são exclusivas, mas complementares, ambas são necessárias para que uma propriedade seja gerida de forma eficiente.

 Avaliando a Produção e as Metas

O próximo passo é determinar quais níveis de produção são necessários para cada uma dessas características economicamente importantes, para atender aos requisitos do mercado que você está procurando.
Olhando para onde você está e onde você precisa estar, você pode determinar os objetivos de criação apropriados para o seu rebanho. Identificar os objetivos de criação é fundamental para a criação de gado planejada. Geralmente, esses objetivos podem ser alcançados selecionando-se dentro do rebanho atual ou introduzindo novas raças no rebanho.
A introdução de novas raças fornece apenas um “salto quântico” na mudança da genética do rebanho. No entanto, um programa de seleção em andamento ainda é necessário para continuar a fazer melhorias genéticas.

agricultura familiar

Definição de termos utilizados no Melhoramento Genético Animal

O que entendemos por genética?

É a ciência que estuda os fenômenos de herança e variação nos seres vivos. Herança, é a tendência dos seres vivos para se assemelharem aos seus pais e variação é a tendência de os seres vivos serem diferentes entre si.

O que é fenótipo?

É o conjunto das características visíveis ​​em um organismo (anatômico, bioquímico, fisiológico, produtivo ou comportamental). O fenótipo é controlado pela composição genética (genótipo) dos indivíduos e por todas as condições do ambiente onde vive (meio ambiente).

O que é genótipo?

É o conjunto de genes de um organismo.

O que é um gen?

É a unidade básica que é herdada nos indivíduos, são fragmentos de DNA que codificam uma proteína específica. Os genes são encontrados nos cromossomos e cada indivíduo recebe duas cópias de cada gene, um em cada cromossomo homólogo, de cada cópia de um de seus pais.

O que é um cromossomo?

Os cromossomos são pequenos corpos que são encontrados no núcleo das células, onde o material genético dos indivíduos é organizado. Em células somáticas, os cromossomos são apresentados em pares, cada par chamado de cromossomos homólogos.

O que é um alelo?

É cada uma das formas alternativas que um gene pode ter.

O que é um locus?

É uma região em uma posição fixa de um cromossomo, a localização de um gene em um cromossomo, Loci, é o plural de locus.

O que é homozigose?

A presença de dois alelos idênticos, para um gene nos cromossomos de um indivíduo. Um indivíduo homozigoto para um gene só pode transmitir um único alelo aos seus descendentes.

O que é heterozigose?

A presença de diferentes alelos nas cópias de um gene presente nos cromossomos de um indivíduo.

O que é média?

É uma medida de tendência central, isto é, nos diz onde os dados tendem a ser, é calculada somando os valores de todos os dados.

O que é variância?

É uma medida de dispersão, isto é, nos diz quão separados ou dispersos são os valores dos dados em uma população.

O que é desvio padrão?

É uma medida de dispersão, definida como a raiz quadrada da variância.

Ordenha: tudo que você precisa saber para um processo eficiente
8 tecnologias que mudaram as atividades no campo
Agrishow 2019: o que esperar dessa edição do evento
MAIS PUBLICAÇÕES
2019-03-26T18:47:42+00:00 0 Comments

About the Author:

Avatar

Leave A Comment