Feno

Feno: entenda tudo sobre esse material essencial para o agronegócio

Existem várias maneiras de alimentação para os animais, mas toda pecuária, para ter sucesso, necessita de uma maneira efetiva para a alimentação dos animais. E sabemos que o feno é uma maneira já bem fundamentada de realizar esse processo. 

Mas você sabe exatamente o que é o feno, quais são seus tipos e quais cuidados deve tomar ao cultivá-lo? 

Aqui nesse artigo, você entenderá tudo isso e mais um pouquinho sobre esse assunto. 

O que é Feno?

O feno é um material composto de alimentos ceifados e secos, destinados aos animais. Além disso, ele é muitas vezes destinado para enriquecer a dieta e como medida alternativa de alimentação.

A composição do feno, então, pode incluir grama, leguminosas ou plantas herbáceas. Ele é considerado de boa qualidade quando tem sua aparência verde e não muito grossa, além de incluir todo o corpo da planta (caule, folha e cabeça).

Porém, independente de sua composição, todos os tipos de feno são utilizados para a forragem animal, principalmente para os animais de grande porte. Ou seja, é utilizado na pecuária onde ocorre engorda à pasto, como na criação de gado, equinos e caprinos.

Os demais usos do feno

Não é só na agropecuária que ele é utilizado! Também é possível aplicá-lo na dieta de animais domésticos, como coelhos e porquinhos-da-índia. 

Também vale ressaltar que, na pecuária, os porcos podem ser alimentados com o feno. Entretanto, eles não o digerem tão bem quanto os animais ruminantes. Esse é um ponto importante.

Forragem

O feno é uma alternativa viável para ser usado como forragem (para os animais se alimentarem nos cochos) caso não haja pastagem suficiente ou o clima esteja desfavorável para o pastejo. Ele também é utilizado para os animais que devem ser mantidos no estábulo ou no celeiro (por exemplo, quando as fêmeas estão prenhas).

A composição do feno 

O feno pode ser composto por:

  • gramíneas;
  • azevém (Festuca arundinacea);
  • aveia;
  • coast-cross;
  • tifton;
  • cevada, entre outras espécies (dependendo da região). 

É possível, também, que o feno tenha em sua composição algumas leguminosas, como a alfafa e o trifólio. Entretanto, é necessário um cuidado especial para a colheita de leguminosas destinadas à fenação: elas devem ser cortadas antes de sua floração. 

O clima pode afetar a produção?

O feno é muito sensível às condições climáticas, especialmente no momento de sua colheita. 

Por exemplo: em condições de seca, a produção das semente e das folhas são enfraquecidas. Isso faz com que o feno produzido fique com hastes grossas e secas e, assim, não apresenta quase nenhum potencial nutricional. 

Deve-se, também, tomar cuidado com o tempo. Se ele estiver muito úmido, o feno pode estragar no campo aberto, antes mesmo de ser devidamente enfardado (empacotado em fardos). 

Podemos, então, concluir que um dos principais desafios na produção de safras de feno é o clima. Sendo assim, deve-se atentar a este fator.

Qual o melhor tipo de Feno para cavalos?

O cavalo é um animal herbívoro, ou seja, possui uma dieta restrita aos vegetais. A dieta de manutenção para os equinos deve ser de, no mínimo, 1% do peso vivo do animal (ou 5 kg de matéria seca por dia/por animal de 500 kg). 

Entretanto, para animais que estão envolvidos em alguma atividade pecuária, seja reprodução ou trabalho no campo, há uma necessidade ainda maior. 

O feno é uma forma simples de conservar o alimento e fornecê-lo ao animal quando não for possível a pastagem. Por isso, ele é considerado uma forma eficaz de alimentação para cavalos.

O feno para os equinos deve ser composto, por coast-cross, tifton e jiggs, ou de alguma leguminosa, com a alfafa. Além disso, deve-se tomar cuidado com a qualidade do feno. Um feno seco, taludo ou úmido demais pode causar quadros de cólicas ao equino, além de fornecer um baixo valor nutricional.

O que é melhor, feno ou silagem?

A silagem apresenta, em média, 64,7% de teor de umidade, enquanto o feno possui 12,5%. Porém, a quantidade de matéria seca (o que fornece, de fato, os nutrientes para o animal) é a mesma para os dois. Portanto, concluímos que ambos são excelentes maneiras de fornecer uma dieta adequada à uma pecuária.

Mesmo assim, ainda é uma maneira excelente de flexibilizar a dieta da pecuária, pois existem variáveis que podem acometê-la e prejudicar significativamente sua produção se não houver uma alternativa para a alimentação dos seus animais.

Por fim, pudemos ver a importância deste material para qualquer pecuária. É um material de fácil conservação e que, se possuir a qualidade adequada, pode ser fornecido como alimento quando o clima não estiver propício para o pastejo. Facilitando, assim, os cuidados com o animal.

Gostou desse artigo e quer se aprofundar no tema? Então leia também sobre o sorgo. O sorgo é uma planta praticamente desconhecida no Brasil  que pode ser transformada em silagem. Assim, é possível oferecer alimentos de alta qualidade nutricional à sua pecuária! Clique aqui e confira.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.