Sal mineral para bovinos: entenda tudo sobre essa suplementação

Sal mineral para bovinos: entenda tudo sobre essa suplementação

A suplementação mineral é essencial para as vacas leiteiras. Essa suplementação visa complementar os minerais, pois somente os disponíveis nas forragens e concentrados não são suficientes para suprir as necessidades do animal. O sal mineral, além de diversas outras vantagens, melhorar a produção e qualidade do leite.

Você vai ver nesse post:

  • O que é sal mineral?
  • Por que usar sal mineral para bovinos?
  • Qual a importância dos minerais para bovinos?
  • Função dos minerais no corpo dos bovinos
  • Quantidade de sal mineral para bovinos
  • Dicas sobre os cochos
  • Quanto custa a mineralização do rebanho?
  • Qual o sal mineral mais adequado para sua fazenda?

O que é sal mineral?

O sal mineral é uma mistura do cloreto de sódio (sal comum) com outras fontes de minerais, como o fosfato bicálcico que é fonte de cálcio e fósforo, sulfato de cobre, sulfato de zinco, óxido de magnésio, selenito de sódio e o iodato de potássio.

Essa mistura, denominada mistura mineral ou sal mineral, é balanceada em macro e micronutrientes para atender completa ou parcialmente as necessidades das vacas em lactação ou de outras categorias.

A Nutron é uma das empresas que fornecem essa suplementação.

Por que usar sal mineral para bovinos?

A suplementação mineral é essencial para as vacas leiteiras. Esta suplementação visa complementar os minerais, pois somente os disponíveis nas forragens e concentrados não são suficientes para suprir as necessidades/exigências do animal. É possível melhorar a produção e qualidade do leite, aumentar a taxa de natalidade, aumentar o peso à desmama, diminuir o intervalo de partos, etc.

Desta forma, a produtividade das vacas torna-se diretamente dependente do nível de suplementação destes minerais.

Qual a importância dos minerais para bovinos?

Os minerais são classificados em macrominerais e microminerais, em função da quantidade necessária pelo animal. São eles:

  • Macrominerais (Cálcio, Fósforo, Magnésio, Potássio, Cloro, Sódio e Enxofre); e
  • Microminerais (Ferro, Zinco, Manganês, Iodo, Selênio, Cobre, Cobalto e Molibidênio.

Cada um dos minerais descritos acima possui função vital para a vida do animal.

sal mineral

Função dos minerais no corpo dos bovinos

Cálcio e fósforo: esses dois minerais são muito importantes no desenvolvimento ósseo e manutenção da estrutura óssea. As pastagens brasileiras são deficientes em fósforo, por isso, a deficiência de fósforo é predominante em bovinos criados a pasto, sendo fundamental a suplementação. O cálcio tem funções fisiológicas, como coagulação sanguínea, transmissão de impulsos, contração e relaxamento muscular. Já o fósforo tem papel fundamental em funções metabólicas, como a utilização e transferência de energia (ATP – adenosina trifosfato).

Magnésio: Cerca de 70% do magnésio corporal encontra-se no esqueleto. Sua deficiência acarreta retardo no crescimento, falta de apetite e convulsões musculares.

Enxofre: O enxofre é componente de proteínas, vários hormônios e algumas vitaminas. Bovinos com deficiência de enxofre apresentam: redução do apetite com consequente perda de peso, fraqueza, salivação em excesso, tristeza e morte.

Sódio, cloro e potássio: O primeiro sintoma de deficiência de sódio é a depravação do apetite, ou seja, os animais buscam consumir madeira, terra, parede e até mesmo suor de outros animais. Em relação ao potássio, geralmente as pastagens apresentam teores maiores do que as exigências dos bovinos.

Cobalto: A deficiência de cobalto impossibilita que as bactérias ruminais sintetizem a vitamina B12, pois o cobalto é matéria-prima desta vitamina. Os animais, em deficiência de cobalto, apresentam pelos arrepiados e a vassoura da causa desprende com facilidade, até que todo pelo da cauda seja perdido. Queda de peso e anemia também são sintomas.

Ferro e cobre: Como o leite é pobre em ferro, os sinais de deficiência mais marcantes são observados em bezerros. Vermes e carrapatos causam grande perda de sangue, levando à deficiência de ferro. A deficiência de ferro causa anemia e perda de apetite. Quanto ao cobre, a deficiência pode causar deformações ósseas, lesões no coração com morte súbita, diarreia persistente e despigmentação.

Iodo: O iodo é fundamental para a síntese dos hormônios sintetizados na tireoide (T3 – triiodotironina e T4 – tiroxina). Esses hormônios regulam a taxa metabólica do animal. A deficiência de iodo causa aumento da tireoide (papeira/bócio), nascimento de bezerros sem pelos, alta mortalidade dos bezerros, crescimento e maturidade retardados, alterações na reprodução (infertilidade e esterilidade) e cios irregulares ou ausentes.

Manganês e zinco: estes minerais atuam como ativadores de enzimas. A deficiência de manganês provoca falha reprodutiva, má formação óssea, paralisia e deformação do sistema nervoso. A deficiência de zinco diminui o desenvolvimento, causa apatia e dermatite.  

Selênio: A deficiência de selênio em bezerros causa doença do músculo branco e em adultos prejudica o desempenho reprodutivo.

Cromo: Este mineral encontra-se relacionado à insulina. É fator de tolerância da glicose e regulador do nível de colesterol.

Resumo da atuação dos minerais no metabolismo dos bovinos, segundo NRC (2016):

Cálcio Componente estrutural de ossos

Contração muscular

Permeabilidade de membrana celular

Fósforo Componente estrutural do osso

Utilização de energia

Diferenciação de componente de DNA e RNA

Balanço homeostático

Formação de fosfolipídios

Magnésio Utilizado na ativação de mais de 300 enzimas

Processos de glicólise

Transmissão do código genético

Potássio Balanço ácido-base

Regulação osmótica

Contração muscular

Sódio e Cloro Pressão Osmótica

Balanço do controle de água

Balanço ácido-base

Enxofre Componente da metionina, cisteína, cistina e Vitaminas do complexo B

Utilizado em reação de detoxificação do corpo

Cobalto Componente da Vitamina B12 (ruminante adultos não precisam da suplementação dessa vitamina por produzirem a partir do cobalto)
Cobre Componente de enzimas
Iodo Componente dos hormônios T4 e T3
Ferro Componentes de proteína do transporte de oxigênio
Manganês Componente de enzimas
Selênio Componente da glutationa peroxidase, importante enzima no combate do estresse oxidativo
Zinco Componente de enzimas

Componente do sistema imunológico

Quantidade de sal mineral para bovinos

A quantidade de sal mineral que os bovinos precisam consumir dependerá da formulação utilizada. O nutricionista animal formulará o sal mineral e informará a quantidade deste produto que os bovinos precisam consumir para terem suas exigências atendidas. Assim, o consumo deve ser informado pelo fabricante do produto.

Contudo, normalmente a quantidade recomendada pelas marcas mais encontradas no mercado é de 50 a 100 gramas animal/dia.

Dicas sobre os cochos

Alguns cuidados em relação aos cochos onde o sal mineral será fornecido aos animais são muito importantes. O ideal é que os cochos sejam cobertos para evitar que o sal mineral molhe, devem ser bem localizados e ter espaço linear mínimo para que cada animal consiga consumir a quantidade necessária (no mínimo seis centímetros lineares de cocho por animal).

Ao usar cochos não cobertos, o produtor deve monitorar e abastecer mais intensivamente os mesmos, uma vez que água/umidade favorece o empedramento do sal, o que prejudica o consumo.

Quanto custa a mineralização do rebanho?

Ao se calcular o custo de produção, incluindo todas as despesas (inclusive depreciação), o valor utilizado na compra de sal mineral comumente é menor do que 10% do total.

Como saber qual o melhor sal mineral para a minha propriedade?

A melhor forma de se obter a indicação de qual sal mineral é o ideal para sua propriedade é por meio da consultoria de um especialista. Este, irá realizar uma visita técnica e, por meio desta, avaliar a propriedade de modo a poder indicar o produto comercial que mais se adequará às necessidades do rebanho.

Exemplo: Os bovinos criados a pasto ingerem, através das plantas forrageiras (capim), os minerais. Essas plantas absorvem estes elementos do solo. Assim, os níveis de minerais que a forrageira apresentará dependerá além da espécie utilizada (braquiarão, mombaça, capim-elefante, etc.), da concentração de minerais no solo, do tipo de solo e de como estes minerais encontram-se quimicamente no solo.  Portanto, uma pastagem formada pela mesma cultivar de forrageira, apresentará níveis diferentes de minerais. Além dos fatos descritos, tem-se também o estágio fisiológico da planta, assim como da vaca.

Zerar as deficiências de minerais dos animais é extremamente importância, visto que o desempenho animal será limitado pelo nutriente que estiver em menor quantidade, ou seja, não adianta que a vaca esteja ingerindo quantidades de proteína e energia que possibilitem produção de 20 L de leite por dia, se há algum mineral em deficiência na dieta, que barrará a produção a 14 L de leite por dia.

Saiba tudo sobre o GPS Agrícola
8 tecnologias que mudaram as atividades no campo
Entenda tudo sobre Drones na Agricultura
MAIS PUBLICAÇÕES
2018-08-12T01:12:09+00:00 0 Comments

About the Author:

Sâmila Esteves Delprete
Zootecnista, Mestra em Ciências Veterinárias e Técnica em Agropecuária

Leave A Comment