Agricultura em Mali: Hello Savana (Oumar Barou Togola) sobre como criar acesso ao mercado para pequenas agricultores do Mali

Os pequenos agricultores são a espinha dorsal da agricultura em África. Um desafio perene para este grupo que responde por mais de 70% da oferta de alimentos na África é a falta de acesso a mercados para seus produtos. A existência de intermediários na maioria dos mercados de alimentos também significa que os agricultores não obtêm preços justos por seus produtos.

Esta foi a percepção que Oumar Barou Togola teve enquanto procurava maneiras de retribuir ao seu país natal, Mali. Ele queria iniciar um projeto que empoderasse e subsequentemente aumentasse a renda dos benfeitores do projeto – pequenas agricultoras. Assim começou a jornada de Farafena , que mais tarde girou para Hello Savanna .

A startup foi fundada com o objetivo de conectar pequenas agricultoras aos mercados. A startup trabalha para fornecer produtos provenientes do Mali para outras áreas do país, eventualmente se aventurando em outros mercados africanos. Os agricultores são integrados à plataforma da Hello Savanna por meio de sua rede de agentes locais, independentemente do tamanho da fazenda. Eles também são treinados em práticas agrícolas regenerativas, como rotação de culturas para melhorar a saúde do solo e reduzir a dependência de fertilizantes químicos.

Em uma conversa com a AFN , Oumar Barou Togola (OT) compartilha como se aventurou na agtech e seus planos com a Hello Savanna.

AFN: Qual é a história por trás do início da Hello Savanna e da agricultura em Mali?

OT: Eu fui para o Canadá para o ensino médio porque meus pais queriam que eu experimentasse culturas diferentes. Meu plano era mais tarde ir para a Europa para fazer um MBA ou fazer faculdade de direito, mas meus planos mudaram. Eu queria fazer algo que me apaixonasse. Então você faz o que seu coração manda.

Foi quando entrei em contato com meus pais, que sempre estiveram envolvidos no desenvolvimento da comunidade, para ver o que eu poderia fazer para retribuir ao continente.

Eles tinham terras agrícolas no Mali com as quais eu poderia fazer alguma coisa, apesar de não ter estudado agricultura. Sabíamos que se aventurar na agricultura era algo que realmente poderia beneficiar o país. Comecei minha pesquisa e descobri que havia demanda por alguns tipos de produtos do Mali, como moringa e fonio, no Canadá.

A primeira coisa que eu queria fazer, no entanto, era falar com as agricultoras.

Eu entendia nossa cultura e entendia que as mulheres não podiam tomar muitas decisões quando se tratava de terras agrícolas. Meu objetivo era fornecer às mulheres as ferramentas apropriadas para que elas pudessem fornecer para a próxima geração. No início, conversei com um grupo de cerca de 10 mulheres e expliquei exatamente o que queríamos fazer. Nós os consultamos, perguntamos o que eles gostavam e queriam fazer e eram capazes de fazer naquele momento.

Muitos deles adoravam a agricultura. Eles tinham produtos, mas não tinham mercado para eles. Houve também uma grande desconexão entre os agricultores e o consumidor, porque as pessoas no meio ganham a maior parte do dinheiro. Por isso, criamos um mercado para eles no Canadá.

Nos últimos sete anos, pudemos trabalhar com cerca de 1.000 agricultoras. Queremos dar voz a essas mulheres e ao mundo saber quem elas são. Por isso, colocamos seus rostos na embalagem. Para criar transparência nas compras, implementamos a tecnologia blockchain há quatro anos.

AFN: Qual é o seu plano em relação ao fornecimento do Canadá?

OT: Em 2020 viajei para o Mali, tendo cultivado Farafena por sete anos. Após esta viagem, no entanto, nós [Hello Savanna] queríamos fazer uma rota alternativa.

Com a disseminação do Covid-19, os bloqueios certamente afetariam muito os pequenos agricultores africanos. Além de tudo isso, estávamos trazendo produtos a milhares de quilômetros de distância do Mali para o Canadá, para um mercado que não precisa necessariamente dos produtos. A produção era uma opção no Canadá, mas havia milhões de pessoas sofrendo de desnutrição e fome no Mali e em todo o continente. Como poderíamos justificar trazer todos esses alimentos altamente nutritivos para fora do país e vendê-los no exterior quando fossem necessários no continente?

Decidimos passar de um modelo de exportação para o fornecimento no continente para pequenos agricultores africanos para alimentar suas respectivas cidades e encurtar nossa cadeia de fornecimento de alimentos. Por isso decidimos criar o Hello Savanna. Deixaremos de exportar para o Canadá em agosto deste ano.

Antes do pivô, que está sendo finalizado este ano, a Hello Savanna havia exportado cerca de 200 toneladas de produtos para o Canadá, EUA e Reino Unido. Com o projeto Savanna e a distribuição de produtos no Mali, faremos esse volume em menos de 12 meses.

AFN: Como tem sido sua jornada de captação de recursos?

OT: Tivemos problemas para garantir o financiamento. Estamos iniciando um novo projeto que se concentrará em questões socioeconômicas e a maioria das respostas que recebemos é que somos muito ambiciosos. No entanto, conseguimos inicializar por quase uma década nesse período. Também entendemos como a agricultura funciona na África e como o mercado responde.

Pretendemos arrecadar US$ 2 milhões que serão destinados a projetos agrícolas, infraestrutura logística, uma instalação de processamento fora da rede e nosso projeto de desenvolvimento socioeconômico.

Temos conversado com diferentes agências de financiamento importantes para o projeto de desenvolvimento socioeconômico que abordará questões como desigualdade de gênero, desemprego juvenil, saúde entre outras questões.

AFN: Além da captação de recursos, que outros desafios você enfrentou?

OT: Mentalidade. É difícil para alguns funcionários entenderem que fazem parte do negócio e são a alma mais difícil do negócio em vez de vê-lo como um trabalho. Tem sido difícil porque às vezes a educação deles foi com tão pouco, que eles só querem se beneficiar do sistema.

Ao mesmo tempo, uma vez que as pessoas o veem no terreno fazendo o trabalho exatamente como vão fazer, elas passam a confiar em você. Eu sinto que esse fator de confiança é muito importante.

AFN: O que a Hello Savanna reserva para o futuro?

OT: Estamos nos concentrando no Mali por enquanto e nosso plano é implementar nosso projeto em cidades de todo o continente. A África é de longe o continente mais jovem e, em 2050, cada quatro crianças nascerão na África, de acordo com o Unicef. Não devemos esperar até 2050 para começar a mitigar o risco de uma crise alimentar. Nosso objetivo é entender como tornar os agricultores mais eficientes e introduzir tecnologia para torná-los mais produtivos.

Também queremos ver indivíduos e organizações com ideias semelhantes se juntarem a nós para abordar essas questões que são importantes para o continente. Precisamos que as pessoas se juntem a nós para mitigar todos esses problemas porque eles são reais. A escassez de alimentos é uma coisa global. Estamos vendo isso no Canadá, mas acho que será ainda mais evidente na África, onde muitos países dependem de importações.

AFN: Alguma tomada final?

OT: Há uma enorme desconexão entre o que os consumidores procuram e o que os agricultores informados são capazes de fazer. Nosso objetivo agora é resolver esse problema e também trazer de volta a geração mais jovem para a agricultura.

Como jovem africano, ninguém virá e me entregará nada. Tenho de trabalhar e fazer a minha parte para garantir que este continente esteja melhor. Existem startups que já têm um impacto incrível na agritech. Devemos aplaudir essas pessoas e pensar em como podemos ultrapassar os limites, como podemos tornar a agricultura mais atraente e como podemos nos tornar auto-suficientes quando se trata de produção de alimentos na África.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.