Touro Devon

Touro Devon: confira tudo sobre essa raça

O touro Devon, de origem inglesa, surgiu há milhares de anos, sendo considerado uma das raças puras de gado mais antigas do mundo.

Criado de forma pura ou cruzado com outras raças, o animal de porte médio é muito utilizado para a produção de carne de primeira qualidade, marmorizada, de fibra fina e sabor diferenciado nas peças menores.

Além disso, a raça destaca-se como a melhor alternativa para cruzamentos com qualquer raça de corte. Sua rusticidade faz com que, no Brasil, o animal possua boa adaptação em diferentes regiões.

O rebanho brasileiro de Devon é estimado em 250 mil cabeças, das quais 150 mil estão localizadas no Rio Grande do Sul (RS) e 20 mil são de animais puros de origem. Para saber mais sobre a raça Devon, continue lendo este artigo!

Origem da raça Devon

O Devon está incluso entre as raças de corte mais antigas da Inglaterra e do mundo.

Clive Thornton, no seu livro “Os Rubis Vermelhos – A história do Gado da Raça Devon”, relata evidências da raça datadas de 7.000 a 10.000 anos atrás, quando os Fenícios estiveram na Europa, entrando pela península Ibérica.

Pode-se dizer, então, que a raça é indígena e originada no sudoeste da Inglaterra, mais precisamente ao redor de Exmoor, ao norte de Devon. A região possui clima úmido e chuvoso, com invernos frios e rigorosos.

Apesar disso, esses animais têm provado serem tolerantes também a climas quentes, com extensas criações na Austrália, Nova Zelândia, USA, Brasil e Jamaica. 

Dessa forma, percebemos como a capacidade adaptativa da raça aos diversos ambientes é um ponto forte desses animais.

No Brasil, a raça foi introduzida em 1906 por Joaquim Francisco de Assis Brasil, em RS, na região de Pedras Altas, e posteriormente em Alegrete e municípios vizinhos.

Em 1914, foi inscrito o primeiro lote de reprodutores puros da raça por Visconde Ribeiro de Magalhães, de Bagé (RS).Foram, então, formalizados em registro duas vacas e um touro, de procedência inglesa, e o primeiro Devon nacional registrado foi “Bagé”, de janeiro de 1915. 

Principais características do touro Devon

O bovino da raça Devon, geralmente, é dócil e elegante. Além disso, possui bom desenvolvimento muscular, estrutura equilibrada e linhas harmoniosas.

Sua capacidade de conversão alimentar e de produção de carne de qualidade se destacam, sendo consideradas uma das melhores do mundo.

A pele do Devon é pigmentada de amarelo alaranjado. Ele também possui pigmentação escura nos olhos, que são recursos que protegem a raça da radiação solar em climas tropicais.

Pode-se dizer, então, que a raça possui ótima capacidade adaptativa, com resistência a climas frios ou quentes, úmidos ou secos. Além disso, as fêmeas possuem boa capacidade de fertilidade e parição.

As principais características morfológicas são:

Pelugem

A pelugem da raça Devon é moderadamente grossa, flexível, coberta por grande quantidade de pelo de cor rubi. Nos machos, pode haver um pouco de pele branca na região escrotal, e nas fêmeas, no úbere.

Cabeça

A cabeça apresenta aspecto masculino no touro, com testa ampla e boa largura entre os olhos. Já na vaca, apresenta aspecto feminino com tamanho moderadamente longo e leve convexidade na testa.

Confira mais detalhes sobre as características da cabeça do Devon abaixo.

  • Narinas: altas e abertas, com focinho largo e cor de carne.
  • Maxilares: descarnados, nos machos são largos na região da raiz da língua.
  • Olhos: são proeminentes, escuros, vivos e brilhantes.
  • Orelhas: de tamanho médio, franjadas de cabelos, e finas nas fêmeas.
  • Chifres: em ângulos retos desde a testa, ligeiramente curvados para baixo nos machos, e em forma de lira nas fêmeas. Cor de cera, com tonalidade castanha nas pontas.

Pescoço

O pescoço possui comprimento médio. Nos machos, é musculoso, com bom cume, sem papada exagerada. Já nas fêmeas, é um tanto descarnado.

Corpo

Como características comuns do bovino, o corpo do Devon apresenta as seguintes especificidades:

  • Peito: largo, profundo, com pouca barbela e sem acúmulo de gordura.
  • Costelas: nascem horizontais, arqueadas e com boa cobertura de carne.
  • Dorso: reto, longo, nivelado com lombo largo e cheio.
  • Quadris: largura mediana, bem providos de carne e nivelados com a linha do lombo.
  • Garupa e picanha: longa, cheia nos machos e moderadamente carnuda nas fêmeas.
  • Cauda: boa implantação, mais grossa na rabada, com cabelo na extremidade (vassoura), de cor branca no animal adulto.
  • Úbere: em alinhamento com a barriga, com pouca carne e tamanho mediano.
  • Pernas dianteiras: fortes, retas e separadas. Musculosas, sobretudo na parte superior. Cascos fortes e sólidos, com ausência de coloração preta.
  • Pernas traseiras: alinhadas, retas, fortes e boa separação de garrões, não se cruzando ou desviando ao caminhar. Cascos normais, não crescidos e sem coloração preta.

Cruzamentos da raça Devon

A grande capacidade para ganho de peso da raça Devon, mesmo em pastagens, juntamente com a excelente lactação das vacas, tem feito com que esses animais estejam sendo muito utilizados para cruzamentos com raças zebuínas e europeias, com ótimos resultados em ambos.

Os reprodutores da raça se destacam pela rusticidade e eficiência. Assim, a alta capacidade de serviço aliada ao grande poder de conversão de pastos em carne de qualidade, confere ao touro grande potencial para cruzamentos em qualquer região do Brasil.

Já as vacas são rústicas, prolíficas e providas de alta capacidade leiteira. Sendo assim, são tidas como de grande lactação quando comparadas com outras raças de corte.

Além disso, características que contribuem nos sistemas de cruzamento do Devon são: rusticidade, fertilidade, habilidade materna, precocidade e docilidade.

A raça Bravon

Resultado do cruzamento do Devon com raças zebuínas, a raça Bravon foi registrada em setembro de 2020 pelo MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com 5/8 de sangue Devon e 3/8 de sangue zebuíno.

A raça é criada há muitas décadas no Brasil, desde o extremo sul do país até as regiões mais tropicais. De acordo com Lucas Hax, diretor técnico da ABCDB, o Bravon une a precocidade, fertilidade, habilidade materna, facilidade de acabamento e qualidade de carcaça e de carne da raça Devon com a rusticidade, adaptabilidade, longevidade e resistência a parasitas das raças zebuínas.

Esse somatório, então, faz com que a nova raça tenha alto desempenho e maior resistência ao clima tropical e a doenças.

 Sobre a ABCDB

A ABCDB – Associação Brasileira de Criadores de Devon e Bravon tem como principal objetivo estimular a criação das raças no Brasil, assim como traçar e contribuir com ações para a manutenção de sua evolução genética.

Até novembro de 2020, a raça sintética Bravon não era incluída na sigla e na associação, porém, o novo estatuto da ABCDB passou a reconhecer a raça juntamente com o Devon, o que foi uma conquista para criadores dos animais de todo o país.

A associação possui sede em Pelotas – RS e seis núcleos em atividade: o Núcleo dos Campos de Cima da Serra, Núcleo Sul, Núcleo de São Gabriel, Núcleo de São Borja, Núcleo de Encruzilhada do Sul e o Núcleo de Criadores de Santa Catarina.Como pudemos ver neste artigo, o touro Devon, com sua grande resistência e capacidade adaptativa, é de grande importância para a produção de carne no Brasil. Além disso, a raça possui importante papel nos sistemas de cruzamento, com conquistas como a criação do Bravon: uma raça inovadora no país. Para maiores informações, leia também nosso artigo sobre sistemas de cruzamento!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.